21 DE NOVEMBRO DE 2019

Causos de Ouro Preto: Assuntos pendentes – Primeira parte


Amenidades
28 de junho de 2019


Caio era o típico “bom vivant” dos anos 50. Filho de uma das mais tradicionais famílias de Ouro Preto, o rapaz vivia para serestas, mulheres e bares. Já com 28 anos, a mãe, senhora austera e muito religiosa, sempre dizia que já era hora do filho “criar juízo” e constituir família, mas ele ria e dizia “mãe, com tantas moças lindas no mundo, por que prender-me a uma só?”

A mãe acabava desistindo. O filho era um bom rapaz, amoroso e muito cuidadoso com ela, desde que ficara viúva. O pai de Caio faleceu quando ele era muito jovem, e deixou uma fortuna considerável para que os dois vivessem de renda a vida inteira. O filho teve uma boa educação, formou-se em engenharia na Escola de Minas, e mesmo nunca tendo precisado trabalhar, mantinha um ótimo relacionamento com os antigos colegas. Era respeitoso com todos e muito querido na cidade.

Naquele ano, devido a alguns contratempos no calendário, a formatura da Escola de Farmácia seria em plena Quaresma. Na época só havia em Ouro Preto dois cursos, Engenharia e Farmácia, e eram escolas separadas. Caio sempre participava das festas, ajudava nos preparativos, chegando a ser homenageado mais de uma vez. Chegou a ser convidado para dar aulas, mas não se via como professor, com as responsabilidades inerentes ao cargo. A vida era muito boa assim, sem maiores responsabilidades.

Vendo-o preparar-se para uma das reuniões da comissão do baile, a mãe chamou-o, preocupada.

- Meu filho, vai ter baile este ano?

- Claro, mãe, que pergunta – ele riu. Pois não tem todos os anos?

- Mas no meio da Quaresma, meu filho? É pecado. Tente convencer os organizadores da festa a adiarem.

Com um sorriso, Caio abraçou carinhosamente a mãe e disse que isso não era possível, que tudo já estava preparado e que ela não precisava se preocupar, que não era pecado, pois foram as circunstâncias que levaram a festa a ser naquela época.

Doma Margarida olhou séria para ele e falou:

- Façam a festa sem o baile, então. É perigoso. Durante a Quaresma, as almas que ainda não encontraram o caminho, ou deixaram algo pendente, ficam andando pelas ladeiras da cidade. Temos de respeitar.

Contendo o riso para não magoar a mãe, o moço reforçou que ela não se preocupasse, enquanto interiormente já se imaginava contando aquela história para os amigos e todos dando gargalhadas. Ouro Preto tem cada uma!

Veja mais


Amenidades
08 de nov de 2019
Exposição “Lama”...

Amenidades
01 de nov de 2019
Ainda falta um ano...















QUER FICAR POR DENTRO DAS NOVIDADES? CLIQUE E CADASTRE O SEU EMAIL, PROMETEMOS NÃO ENVIAR SPAM!
ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
   

PARCEIROS