09 DE DEZEMBRO DE 2019

A ignorância no topo


Ponto de Vista do Batista
19 de julho de 2019


Mais uma vez, sei que vou desagradar a muita gente e antevejo críticas e impropérios pelo que direi, mas isso não me importa. Disse em outras ocasiões e repito que não escrevo para agradar a quem que seja; escrevo o que quero e de acordo com o que penso, não me movendo nenhum interesse vinculado a terceiros. Se assim penso, vamos aos fatos.

Num desses últimos dias, sob frio cortante e vento que incomodava bastante, estava a descer pela Rua Direita, quando fui abordado por uma rapaz, talvez na casa dos vinte para trinta anos. É interessante como, em muitas circunstâncias, os contrários se atraem. Sem quê nem pra quê, o recém-surgido lascou a pergunta: – aqui, onde é o campo de futebol? – Educadamente, dei-lhe a informação de que, seguindo o prolongamento daquela rua, ele chegaria ao mais tradicional. Antes da resposta, porém, engoli em seco, contei até dez, para não perder as estribeiras, porque na verdade tive vontade de dizer-lhe que o campo de futebol era na p.q.p., expressão grosseira que, diga-se de passagem, não uso nem em discussões de caráter violento! Não é da minha índole usar expressões desse tipo, embora já tenha sido, injustamente e sob intenções abomináveis, acusado de proferi-las em momentos impróprios, diante de presenças com presunção de inocência. Mas, voltemos ao caso campo de futebol. Seria o caso de se perguntar: – por que, em meu interior, reagi daquela forma? – Digo que, simplesmente, porque não concebo a ideia de alguém, na primeira visita a uma cidade como Ouro Preto, fazer uma indagação do tipo e onde foi feita, na rua, em meio a tantas coisas a chamar a atenção do visitante.

Em outras circunstâncias, na mesa de botequim, tudo bem. Ouro Preto, por suas características físicas e históricas suscita uma série de conjecturas, mesmo a pessoas de menor conhecimento. Daí é que, com tanta coisa para se ver, visitar, admirar, argumentar, discutir, considerando-se que não se trata de uma cidade igual às outras, querer saber onde é o campo de futebol é algo surrealista. Numa comparação um tanto forçada é como alguém que, no momento mais solene da missa, quisesse saber onde fica o botequim do zé-dos-anzóis! Não há como aguentar tal disparate! Mas, fazer o quê? Estamos no Brasil, país onde se beija bola e chuta a escola! Quando supunha ter sido contemplado com o máximo da imbecibilidade, naquela semana, chega-me por e-mail noticioso o relato de que um trabalhador teria apresentado sua CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social) para que jogadores de futebol apusessem seus autógrafos. O fato, por si só, impróprio e degradante, revela pouca educação, falta de cidadania e desconsideração à sua própria condição de trabalhador. Não sabe ele e talvez milhares de trabalhadores que a CTPS é o seu mais importante documento. Merece respeito e consideração, não só por registrar a vida do cidadão trabalhador, garantindo assim seus direitos, como também por comprovar que seu titular é parte da força que constrói o país.

Embora poucos saibam, talvez porque nunca lhes tenham dito, a CTPS é documento confidencial entre o empregado e o empregador, cabendo a este tê-la pelo tempo mínimo necessário, para que se façam os registros exigidos por lei, nada além do que exige a lei. Além do empregador, naquele momento, mais ninguém tem o direito de bisbilhotar a CTPS do trabalhador e, muito menos, fazer nela quaisquer intervenções. Que cada cidadão tenha isso em mente como um direito seu! Houve tempo em que a polícia cobrava a CTPS dos cidadãos, na rua, para comprovar se trabalhava ou não. Aqueles que não apresentavam o documento eram presos. Certa vez, fui abordado por um policial, que questionou o fato de eu não portar o documento. Apresentei a argumentação acima, ele coçou a cabeça e me liberou; felizmente ele não era do tipo truculento. Por ignorância, o cidadão/trabalhador/torcedor errou; na sequência, também por ignorância, erraram os atletas que usaram a CTPS para autografar; prosseguindo, também por ignorância, todos que curtiram e compartilharam a notícia apoiaram o erro. Os erros não pararam por aí, sendo a sucessão deles culminada pela ação da companhia cervejeira, patrocinadora do evento desportivo, que resolveu premiar o torcedor. Para isso desencadeou campanha de investigação no intuito de identificá-lo. Do último dos erros não se pode dizer que se faz por ignorância, porque o empresário é obrigado a conhecer a lei. A empresa tem o erro agravado, porque seu gesto pode estimular outros ao cometimento do mesmo erro.

Tudo é resultante do fanatismo! Se Lênin (líder da Revolução Russa) disse que a religião era o ópio do povo é porque não conhecia o futebol!

Veja mais


Ponto de Vista do Batista
29 de nov de 2019
Jabuticabeira, um símbolo local II...

Ponto de Vista do Batista
19 de nov de 2019
Jabuticabeira, um símbolo local I...
















QUER FICAR POR DENTRO DAS NOVIDADES? CLIQUE E CADASTRE O SEU EMAIL, PROMETEMOS NÃO ENVIAR SPAM!
ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
   

PARCEIROS