16 DE SETEMBRO DE 2019

A vida sempre ensina


Ponto de Vista do Batista
06 de setembro de 2019


Falar de si próprio pode não ser politicamente correto ou ético, mas há ocasiões e circunstâncias em que a necessidade do reconhecimento do mérito em terceiros, seguido do gesto de agradecimento, se torna necessário evidenciar-se entre os demais. Há oito anos, depois de uma crise de bradicardia (baixa frequência cardíaca) e consequente implantação de marca-passo, consulto o médico, periodicamente, para avaliação do indispensável aparelho implantado em meu peito.

Desde maio último, estava com consulta agendada para o dia 30 de agosto, mas na manhã do dia 22, recebi ligação telefônica da secretária do médico, que informou não ser possível o atendimento na data agendada e, se possível, a consulta seria antecipada para o dia 23, ou seja, o dia seguinte. Aceitei, prontamente, e compareci conforme combinado. Ao ligar o equipamento e iniciar o procedimento de avaliação, o médico exclamou: - o senhor é um homem de sorte! – e completou: - o marca-passo está com a bateria a zero. Percebi que ele estava mais assustado que eu, o que se confirmou com a explicação: -marca-passo sem bateria e como carro sem gasolina; se o marca-passo para, o coração para também! Vou ter de interná-lo, pois o senhor não poderá voltar para casa com esse aparelho. Ele preencheu a guia de internação e me encaminhou para o hospital Vila da Serra a poucos metros de onde estávamos.

No Vila da Serra, cumpridos os trâmites burocráticos, que foram rápidos, fui levado direto para o CTI. Foi minha segunda experiência como paciente de um CTI, pois oito anos antes, dos quinze dias de internação no Biocor, onze foram no CTI. É aqui que entra uma das razões de registro das minhas impressões. Em ambas ocasiões minhas condições eram de tranquilidade, embora sob risco de morte súbita; não estava a sofrer dor, prostrado ou “de beiço caído". Estava consciente, física e mentalmente capaz de observar, analisar e refletir sobre toda a cena que à volta de mim se desenrolava, pelo menos, nos momentos em que me mantinha acordado. Quem está cá fora ou internado como paciente, porém, em condições desfavoráveis, não tem como avaliar a grandeza do trabalho, que ali se desenvolve; não que outro tipo de trabalho tenha menor valor, mas as ações em prol da saúde e da vida humanas, além do conhecimento científico, da técnica profissional e disciplina, envolvem sentimentos de amor, solidariedade, muita paciência, gentileza e outros atributos necessários para o conforto do próximo, em momentos de sofrimento. Em poucas atividades se exige tanto do ser humano e em raros momentos ele é tão uno com seu semelhante. Daquele profissionalismo e toda atenção, conjugada com esforços para não falhar, dependem as vidas que lhes são confiadas! Percebe-se ainda que, dessa abnegação em prol da saúde e da vida, está imbuído todo o pessoal hospitalar, desde o mais credenciado profissional até o mais humilde colaborador.

É interessante observar que, por duas ocasiões, com intervalo de oito anos, eu, um estranho, embora consciente e livre de dor, estive sob risco de morte súbita e, por isso, entregue aos extremos cuidados de estranhos, em ambiente hospitalar. Por duas vezes, tive a oportunidade de me sentir amparado e reconduzido à plenitude da vida, sem perder a capacidade da observação e análise dos fatos, enquanto estes se desenvolviam mediante as ações de todo pessoal naquele abençoado ambiente. Acrescente-se o fato de a consulta, previamente agendada, ter sido antecipada em sete dias, por motivos em nada relacionados com ela. Que teria acontecido se não ocorresse a antecipação? A mente humana não é capaz de alcançar o verdadeiro significado de tudo que ocorre, mas também não pode descartar a possibilidade de um propósito oculto por trás dos fatos.

Paradoxalmente e por longo tempo, vive-se entre pessoas tidas como amigas, tendo-as a visitar a nossa casa, assim como nós as delas, sem, de longe, imaginar que elas um dia possam se levantar em campanha de difamação, mediante intrigas e mentiras com o propósito de macular nossa imagem. Vive-se uma vida de sessenta, setenta, oitenta anos, enganado pelos mais próximos, ditos “companheiros”, muitas vezes considerados como filhos ou irmãos, de repente revelados como víboras. Sob a intenção de ocupar espaço, inatingível por mérito próprio, não se vexam de violar a ética e princípios morais, para conseguir seu intento. Ao contrário, estranhos se desdobram em cuidados e carinho em prol de nossa saúde e de nossa vida, embora possam não ter nossa confiança, à primeira vista, sob outras circunstâncias.

Está aí também a razão pela qual esta coluna esteve ausente na edição passada.


Veja mais


Ponto de Vista do Batista
13 de set de 2019
Tragédia na ponte...

Ponto de Vista do Batista
23 de ago de 2019
Por que não à CPMF?...
















QUER FICAR POR DENTRO DAS NOVIDADES? CLIQUE E CADASTRE O SEU EMAIL, PROMETEMOS NÃO ENVIAR SPAM!
ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
   

PARCEIROS