12 DE AGOSTO DE 2020

A importância da informação no combate à AIDS no mês da luta contra a doença


Ouro Preto
03 de dezembro de 2019


Por Michelle Borges

De acordo com uma estimativa do Ministério da Saúde, 900 mil brasileiros possuem o HIV, dos quais 135 mil ainda não sabem. Em Ouro Preto, 95 pessoas passam pelo tratamento

Associar cores aos meses do ano se tornou uma ferramenta importante para chamar a atenção e conscientizar as pessoas sobre a importância de cuidar da saúde e priorizar a qualidade de vida. Com esse objetivo, o Dezembro Vermelho alerta para a prevenção da AIDS e das infecções sexualmente transmissíveis (IST). O Dia Mundial de Combate à AIDS (português brasileiro) ou Dia Mundial de Luta Contra a SIDA (português europeu) internacionalmente definido como o dia 1° de dezembro é uma data voltada para a conscientização sobre a síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA).

A data foi instituída em 1988 pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e marca o início da campanha Dezembro Vermelho. A AIDS é uma doença causada pela infecção do vírus da imunodeficiência humana, o HIV na sigla em inglês. Com a evolução do tratamento, nem todo mundo que vive com HIV chega a desenvolver a AIDS, por isso há diferença entre os termos. Wendell Magalhães, farmacêutico da Dispensadora de Medicamentos Antirretrovirais (UDM) de Ouro Preto, explica a diferença entre o vírus e a doença e como ela se desenvolve. “O HIV é o vírus que causa uma imunodeficiência e a AIDS é o estágio mais avançado da infecção causada por esse vírus, isso quando a pessoa não trata essa infecção a tempo. Então, uma pessoa que é portadora de HIV, que não sabe que tem o vírus e que consequentemente não se trata, ela provavelmente vai desenvolver a AIDS. Já uma pessoa que descobre que tem o vírus ainda numa fase assintomática e faz o tratamento adequado, ela nunca vai chegar ao estágio da AIDS. Reforçando que a pessoa que se trata adequadamente, e está indetectável há mais de seis meses, ele não transmite o HIV por fluidos sexuais, embora possa transmitir por sangue”, esclarece.

O HIV ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças e as células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. Já a AIDS, é o estágio mais avançado da doença, quando o organismo fica mais sujeito a diversos agravos que vão de um simples resfriado a infecções mais graves como tuberculose ou câncer.

De acordo com uma estimativa do Ministério da Saúde, 900 mil brasileiros possuem o HIV, dos quais 135 mil ainda não sabem. A maioria dos casos registrados é na faixa de 20 a 34 anos (52,7%) principalmente em relação aos homens. Em Ouro Preto, 95 pessoas, da sede e distrito, fazem o acompanhamento pelo SUS. Entre esses, seis pessoas desenvolveram a doença. “Não temos o número total de pessoas, pois algumas pessoas optam por fazer o tratamento em Belo Horizonte para não se exporem”, ressalta Wendel.

Na sexta-feira (29) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, lançou em Brasília (DF) nova campanha de prevenção ao HIV/AIDS, ‘Se a dúvida acaba, a vida continua’. O foco é reforçar a importância do diagnóstico precoce e do tratamento.

Contaminação

A transmissão do HIV se dá principalmente por via sexual sem proteção, seja ela anal, vaginal ou oral. “É claro que existem gradações na possibilidade de transmissão. É muito mais fácil o contagio pelo sexo anal receptivo do que oral, por exemplo. No caso do oral, a taxa é mais baixa e mesmo tendo uma possibilidade muito pequena, ela ainda existe”, reforça o farmacêutico.

Outras formas de transmissão são por meio da transfusão de sangue contaminado e seus derivados; através do uso de drogas injetáveis e compartilhamento de seringas; materiais perfuro-cortantes não esterilizados; ou por meio da transmissão vertical de mãe para filho na gestação, no parto ou na amamentação. Vale destacar que, mesmo assintomático, o portador pode continuar a transmitir o vírus.

Tratamento

O Brasil é referência internacional no tratamento de AIDS por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) disponibilizando ao cidadão medicamentos gratuitos e também a testagem de sorologia e ao preservativo (camisinha). Wendel pontua que, seguindo o tratamento, é possível ser soropositivo e viver com qualidade de vida. “Antigamente era um coquetel, com vários medicamentos. Atualmente o tratamento é feito com medicamentos antirretrovirais, que são comprimidos, com um ou dois no máximo por dia. Ele é eficaz e se o paciente seguir adequadamente, como preconizado, nunca vai desenvolver o estágio da AIDS. Já as pessoas que cometem falhas no tratamento, em longo prazo vão ter problemas, pois o vírus ficará resistente e aí será necessário adicionar outros comprimidos ao tratamento”, evidencia.

Em Ouro Preto, quem quiser fazer o teste pode procurar o posto de saúde da sua referência para agendamento. “Caso o paciente descubra que tem o vírus, ele poderá consultar na Policlínica da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) onde tem um setor específico para o tratamento com acompanhamento da médico infectologista, farmacêutico e assistente social. Há também acompanhamento no Centro de Saúde da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)”, destaca.

Veja mais













ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
       

PARCEIROS