08 DE AGOSTO DE 2020

Pobreza, vilã em tudo?


Ponto de Vista do Batista
28 de janeiro de 2020


por Nylton Batista

Riqueza e pobreza, dois conceitos, dois polos, duas faces de uma mesma situação. Ironicamente, podem ser como faces de uma mesma moeda; uma a desconhecer a outra, mas, ao contrário da moeda que não se afeta com isso e continua a existir, na representação da riqueza, as duas faces sociais entram em conflito se se ignoram, mutuamente, embora sejam interdependentes.

Por muito que teorias políticas tentem anulá-las mediante a igualização, a existência dessas duas faces é inerente à condição humana, o que não quer dizer que a distância entre e um e outro ponto deva ser expandida ao infinito, pois a razoabilidade pede menor distância possível, para se manter o equilíbrio entre ambos. Da riqueza pode nascer o fomento ao crescimento, ao desenvolvimento que, por sua vez, necessita dos menos ricos e mais pobres, que buscam mais riqueza por meio de sua força de trabalho com o qual se atinge a prosperidade. Entretanto, o comportamento, individual e de grupos, em relação à questão, nem sempre é favorável ao equilíbrio, pois os opostos se digladiam a ponto de comprometer avanços em direção a melhor qualidade de vida para todos. Surgem, então, conceitos tendentes a menosprezar, ridicularizar ou usar a face oposta para fins políticos desejados.

É assim que o dinheiro, considerado o mais perfeito bem econômico, que Deus inspirou ao Homem criar, passa a ser invenção do diabo; que muito dinheiro traz infelicidade e, por isso, é melhor continuar pobre; que é mais fácil um camelo passar pelo fundo da agulha que um rico entrar no reino do céu – note-se que, além da injusta generalização do conceito, a tradução foi capenga, pois “camelo”, no original, significava um nó especial e não o animal típico do deserto. Alicerçada nesses conceitos, vem em seguida a equivocada doutrina da “preferência pelos pobres”, em lugar da preferência pelos bons, pelos justos, independentemente do ter e haver material de cada um. Infere-se daí que para ser santo há que ser pobre, ou, que todo pobre é santo; conclusão tão falsa como o é uma cédula de três reais. Pobreza não é virtude e riqueza não é crime ou pecado! O que merece condenação é o mau uso, pelo rico e pelo pobre, de sua respectiva condição social. Por outro lado, felicidade e infelicidade não têm nada a ver com o ter e haver! Têm, sim com o ser e estar; tem, sim, com ser limpo de ideias maléficas contra o que e quem quer que seja; tem, sim, com a consciência tranquila, livre de sentimentos como remorsos, mágoa, raiva e ódio. Com todo o dinheiro do mundo ou na miséria absoluta, o indivíduo pode ser feliz!

Nos últimos anos, início da escalada da violência e dos crimes contra o patrimônio, foi moda debitar a causa à miséria e ao desemprego. Políticos e a mídia batiam na mesma tecla, segundo a qual o desemprego e a miséria levavam pessoas ao crime que, à época, assim como hoje, eram assaltos a mão armada em residências, assaltos a bancos, assaltos a veículos de carga, em rodovias, entre outros. Defensores de tal teoria nem se preocupavam com a incoerência entre a pressuposta condição famélica dos criminosos e o modus operandi, acrescido do emprego de armas pesadas e caras. Se eram miseráveis desempregados, como ter e empunhar armas, até do tipo bélico, em operações tão ousadas?  O que se sabe é que quem passa fome, eventualmente, rouba comida; não era o caso! Na verdade eram gangues organizadas, das quais participavam gente de todo tipo (estudantes universitários, indivíduos com título universitário, comerciantes e até policiais) menos famintos e trabalhadores desempregados. Trabalhador, o verdadeiro trabalhador, desempregado se vira com o que sabe fazer, mas não rouba!

Se assim foi em relação à violência, parece que agora a mesma válvula de escape é aplicada no caso do meio ambiente. A coisa passou despercebida, ou deixada de lado de propósito, pois a mídia não destacou declaração feita pelo ministro da Economia. Disse ele que a maior inimiga do meio ambiente é a pobreza, porém não explicou em que sentido. De qualquer forma, foi declaração infeliz, porque só o fato de ser pobre não faz do indivíduo um agressor do meio ambiente. O que leva o indivíduo a agredir e destruir o meio ambiente é a má educação ou a falta dela, e, parte dessa responsabilidade cabe ao Estado. Quanto à poluição dos cursos d’água, talvez o maior dano ao meio ambiente, em decorrência da ação humana, debite-se à falta de um política de Estado voltada para o setor, que afeta não somente os mais pobres, alocados em favelas, mas uma grande população fora delas, que paga IPTU.

Portanto, Sr. Ministro, o maior inimigo do meio ambiente é o próprio Estado, do qual a pobreza é a maior vítima! E tenho dito.

Veja mais


Ponto de Vista do Batista
04 de ago de 2020
Estamos todos no mesmo barco XXII...

Ponto de Vista do Batista
29 de jul de 2020
Estamos todos no mesmo barco XXI...












ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
       

PARCEIROS