04 DE JULHO DE 2020

Estamos todos no mesmo barco II


Ponto de Vista do Batista
16 de março de 2020


Por Nylton Gomes Batista

Conforme aqui dito, sob o mesmo título, há pouco mais de um mês, o novo coronavirus, causador da COVID-19, avança e já atinge todos os continentes, levando preocupação às autoridades e medo a muita gente; preocupação porque, enquanto não se conhece o vírus, não há como combatê-lo, mediante vacinação em massa, ficando toda uma sociedade, todo um país sob o domínio da incerteza; medo porque, por muito que se cuide, em termos de saúde, o indivíduo se sente ameaçado ante a possibilidade de ser atingido por doença desconhecida, ainda que de baixa letalidade, em comparação com outras similares, conforme mostram estatísticas. Enquanto não se sabe como combater o vírus e eliminar a doença, providências drásticas se impõem para conter seu avanço sobre as populações. 

É assim que cidades, regiões e até países inteiros se fecham e se colocam em quarentena, com as pessoas submetidas a algo similar a prisão domiciliar. Sacrifício coletivo pelo bem coletivo! Essas alterações na vida pessoal, doméstica e social do cidadão, acabam por afetar toda a economia, com redução do trabalho, da produção, do comércio e da renda. O mercado financeiro sofre a pior das crises de todos os tempos, atingido por algo estranho ao setor. A mobilidade mundial é reduzida ao mínimo e indispensável, com sério revés às atividades turísticas. Costumes, hábitos e tradições são revistos e colocados de lado, pelo menos, temporariamente. 

No Brasil, até a semana passada, os casos se limitavam a pessoas que viajaram ao exterior, especialmente à Itália (à Itália e não para a Itália como estão a dizer profissionais da imprensa) e poucos casos de transmissão intrafamiliar dos mesmos. São pessoas de relativo poder econômico, dotadas de bom nível de educação e em condições de viajar ao exterior, o que facilitava a identificação dos contaminados. Por essa razão, os casos detectados eram mantidos sob controle, com ganho de tempo para as autoridades no planejamento de ações concernentes a possível disseminação da doença entre a população que, infelizmente, agora ocorre. A situação torna-se mais preocupante, mas isso não quer dizer que todos correm o risco de sofrer a doença, estando mais vulneráveis a ela pessoas mais velhas (ou idosas, como queiram) e pessoas debilitadas, com baixa resistência imunológica. Quando autoridades, com relação esta emergência, vêm a público para pedir calma, tranquilidade e nada de pânico, estão cobertas de razão. Nada se resolve sob clima de desespero e pânico. Cabe a cada cidadão, sim, ser disciplinado (e este é um dos problemas tupiniquins) e solidário, cumprindo as normas estabelecidas para a coletividade melhor conviver com a situação e superá-la, em seguida. Que cada um cumpra a parte que lhe cabe, incluindo-se aí mais cuidados com a própria alimentação, mais recolhimento ao lar, menos extravagâncias e menos bebida alcoólica. 

Portanto, não colabora, em nada, a atitude de apresentador de televisão, que critica quem pede calma e cobra respostas a conjecturas suas, tendo como base o quadro atual. E se acontecer isso, ou aquilo, o que se vai fazer? Ora, o bom senso pede que todo o trabalho se concentre na assistência aos contaminados, evitando-se ainda que os mesmos contaminem outros, enquanto se adotam ações preventivas, próprias da saúde pública nessas ocasiões. Se todo o necessário, agora, se fizer, conjecturas ficarão nas conjecturas e na baba gasta pelo falador impertinente! Um pouco de silêncio dos anônimos pesquisadores de laboratório – honra eles – lhe faria bem e a nós também! 

Enquanto não se tem a vacina contra o mal, a atenção deve se concentrar na contenção de seu avanço, valendo-se de todos os recursos médico-científicos e legais. O que virá depois terá seu tempo de discussão e avaliação. Todo o mundo vive em clima de guerra, com muitas restrições comuns nos grandes conflitos armados. É a III Guerra Mundial, guerra sem tiro, na qual toda a espécie humana se une contra o inimigo comum, uma espécie microbiológica, mais traiçoeira que qualquer arma criada pelo Homem. É a vez de a espécie humana repensar-se e avaliar se vale a pena realçar diferenças e guerrear pela supremacia.

Veja mais


Ponto de Vista do Batista
01 de jul de 2020
Estamos todos no mesmo barco XVII...

Ponto de Vista do Batista
22 de jun de 2020
Estamos todos no mesmo barco XVI...












ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
       

PARCEIROS