07 DE ABRIL DE 2020

Estamos todos no mesmo barco III


Ponto de Vista do Batista
23 de março de 2020


Por Nylton Gomes Batista

Dispersos no ar os eflúvios das comemorações e apagados os fogos coloridos da pirotecnia, em 31 de dezembro de 2019, contraste às manifestações de feliz e próspero Ano Novo manifestou-se com a notícia de que desconhecida e temível doença poderia se alastrar para o mundo, a partir da China onde fora detectada. Desde então o mundo entrou em suspense; o setor médico-científico em busca de solução e as populações em busca de proteção. Da condição de espectador, no primeiro momento, diante do que acontecia na China, em poucos dias o restante do mundo viu o perigo a se espalhar entre as populações indefesas, já que o mal tem como causa um novo vírus, totalmente desconhecido, embora pertencente a um grupo catalogado.

De repente, tudo mudou, em todos os quadrantes; dos mais pobres aos mais ricos países, todos se veem envolvidos numa verdadeira guerra que, se não tem tiros, bombardeios aéreos, ataques com foguetes e outros atos agressivos, não dispensa isolamento de países inteiros, perdas nas atividades produtivas, comerciais e socioculturais. Se não há sangue derramado em trincheiras, exige-se o sacrifício de cada cidadão(ã), que pode ser em trabalho redobrado, isolamento social, perda do emprego e de renda, perda nos negócios, perda em lazer e em qualidade de vida. Nem se fale das vítimas nos hospitais, muitas quais não sobrevivem, sem se esquecer das compelidas à quarentena, separadas até dos mais queridos. Em menor ou maior grau, o sofrimento atinge a todos!

Contudo, considerando-se que em cada fato pode haver um propósito oculto, há que ter atenção para o desdobramento da crise, a atingir toda a espécie humana, a partir da maneira como o perigo é enfrentado. Grandes dificuldades agilizam o despertar do processo criativo, ou, grandes crises podem ser prenúncio de grandes oportunidades. Embora indesejados e repudiados, observa-se um surto de criatividade e inventividade durante os grandes conflitos armados, devido à necessidade de vencer dificuldades. Há até mesmo um dito popular que exprime bastante bem a situação: “a necessidade faz o sapo pular”.

Portanto, a atual paralização do mundo deverá, também, manifestar seu lado bom. Uma das boas consequências, espera-se, estará em a humanidade, como espécie, assumir nova mentalidade, promovendo mais aproximação entre os povos com consequente quebra de barreiras, que hoje realçam e promovem diferenças, base de sustentação da miséria e de constantes conflitos. Com a mudança de mentalidade, a consciência política poderá evoluir a patamar mais elevado, se não espontaneamente a partir das próprias forças políticas, certamente pela pressão dos povos, que não mais confiam nos sistemas vigentes. Antes de quarentena, este intervalo é uma pausa para meditação, para um exame de consciência e autoavaliação da conduta individual e de toda a humanidade!

Vencida a guerra, a primeira que se espera ter a humanidade como única vencedora, e restabelecida a normalidade, o mundo poderá estar combalido, economicamente, é verdade, mas estará revigorado espiritualmente e pronto para um recomeço, em outro nível. Definitivamente, depois desta pandemia, o mundo poderá ser outro!

A primeira condição, para que se possa suportar e vencer esta crise, é serenidade, nada de pânico, seguida de mais disciplina, muita atenção e cuidados para se evitar o contágio. O sucesso depende mais de cada indivíduo, em sua obediência às recomendações das autoridades sanitárias e respeito ao trabalho daqueles na linha de frente do combate à doença.

Pena é que enquanto profissionais da saúde, sob o suporte de outros setores, se desdobram na contenção do perigo, na assistência aos doentes, e população se enclausura como forma de colaboração, alguns da escória social tentam obter lucros sobre a desgraça alheia. São do mesmo tipo que, por ocasião dos flagelos, roubam ou desviam doações populares destinadas às vítimas, não se importando com o sofrimento alheio. Os oportunistas do momento, se não roubam diretamente, abusam no aumento de preço de produtos essenciais à proteção de pessoas, ou os falsificam em proveito próprio. Esse comportamento antissocial merece punição severa, observando-se ainda que a falsificação de material destinado ao combate da doença, durante a pandemia, deveria ser caracterizada na legislação como crime contra a humanidade. E se estamos numa espécie de guerra, que fosse considerado crime de guerra. Essas pessoas estão na contramão da batalha travada pela espécie humana.

Veja mais


Ponto de Vista do Batista
07 de abr de 2020
Estamos todos no mesmo barco V...

Ponto de Vista do Batista
31 de mar de 2020
Estamos todos no mesmo barco IV...












ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
       

PARCEIROS