25 DE JUNHO DE 2019

A solidão não é física


Amenidades
26 de outubro de 2018


Neste feriado prolongado, recebi a visita de pessoas muito queridas, um casal de amigos e uma amiga em comum. Mesmo morando ali tão pertinho, em BH, não nos víamos há mais de um ano e foi um encontro delicioso.

Saímos, ficamos em casa, assistimos filmes antigos e conversamos muito, sobre os mais variados assuntos. Um ambiente “acostumado” com uma única pessoa, quando passa a ter quatro, muda de energia, e é muito bom variar. Passamos três dias maravilhosos, saíamos e chegávamos exaustos, mas mesmo assim ficávamos até de madrugada conversando. O cansaço físico se torna irrelevante diante do bem estar emocional.

Impossível não falar sobre as eleições que batem à porta, principalmente as presidenciais. Conversamos sobre isto também, mas não houve um único grito, uma única briga e principalmente, nenhuma ofensa. Quando falamos isto, nossa amiga disse: “olhem que absurdo, nós estamos nos elogiando por uma coisa que deveria ser óbvia”.

Ela está repleta de razão. Não brigar, não agredir e não ofender deveria ser regra e não exceção. Infelizmente, os valores estão mudados.

O meu casal de amigos tem duas filhas, de dezessete e quatorze anos, que não vieram. Eles me perguntaram se eu não sentia falta de ter mais gente em casa, se não era solitário morar sozinha. Respondi que não, e que isto era tão arraigado em minha vida, que nunca nem parei para pensar. Mais uma vez nossa amiga, uma pessoa extremamente sábia, e que também mora sozinha, comentou que a beleza da vida é exatamente esta capacidade que temos de nos adaptarmos e tirarmos o melhor da situação em que vivemos.

No domingo à noite, quando eles foram embora e a energia da minha casa voltou ao “normal”, fiquei pensando. Talvez quem não viva a situação não entenda, mas existe uma diferença enorme entre morar sozinha e ser sozinha. Primeiro porque é super normal eu estar com a casa cheia, segundo porque saio tanto que às vezes chego a sentir falta de me dar um tempo (o que adoro fazer, de vez em quando).

Aprendi que a solidão não é física e estar sozinho não significa ser só. Adoro o meu canto, o meu espaço, adoro a minha casa. Igualmente adoro receber visitas (de pessoas que valem a pena, é claro). Quando abro as portas da minha casa para alguém, é porque esta pessoa é realmente importante.

O meu feriadão foi especial porque as pessoas eram especiais. Da mesma forma, seria especial se eu estivesse sozinha. Porque eu estaria sozinha, mas com certeza não estaria em solidão.

Veja mais


Amenidades
21 de jun de 2019
A lenda da tartaruga respondona...

Amenidades
07 de jun de 2019
Ninguém tem estrela na testa...















QUER FICAR POR DENTRO DAS NOVIDADES? CLIQUE E CADASTRE O SEU EMAIL, PROMETEMOS NÃO ENVIAR SPAM!
ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
   

PARCEIROS