30 DE MAIO DE 2020

Estamos todos no mesmo barco V


Ponto de Vista do Batista
07 de abril de 2020


Por Nylton Gomes Batista

O primeiro trimestre de 2020 foi ultrapassado e o coronavirus, anunciado no último dia do ano anterior, avança sem trégua no meio da humanidade, tendo atingido mais de cento e oitenta países. Embora não seja a primeira grande pandemia, contra a qual luta a espécie humana, esta pode causar mais efeitos negativos, mesmo que o número de mortes possa ser menor que o provocado por outras. A última das maiores, a gripe espanhola, horrorizou o mundo em 1918 com cerca de cinquenta milhões de mortes. Entretanto, com pouco mais de um milhão de contaminados até o fim da semana passada, esta já causa mais danos que afetarão toda a humanidade, mesmo depois de encerrado o surto. É o impacto direto na economia, bem como na mentalidade da espécie.

Nos casos anteriores, havia pouca mobilidade humana. A grande maioria circulava até poucos quilômetros distante de seu domicílio, muitos viviam até idade avançada sem nunca sair de sua terra natal; a economia ainda era localizada com pouca interação entre os países. A própria comunicação, então, era restrita ao boca-a-boca e imprensa escrita. Em razão de tudo isso, as necessidades humanas ainda eram, praticamente às, hoje, consideradas básicas ou primárias. A propaganda massiva, estendida posteriormente ao rádio, à televisão e, hoje, à internet, ainda não havia criado as inúmeras necessidades secundárias que condicionam a vida humana, por mais simples e pobre que seja. Há cem anos, nem se imaginava a existência de produtos, que hoje são presenças obrigatórias na vida de qualquer pessoa. Ao contrário daquela época, o que acontece num ponto do globo repercute, instantaneamente, no ponto diretamente oposto; o que se consome aqui pode vir de qualquer parte do mundo, assim como o aqui vendido pode ser adquirido, onde quer que esteja o consumidor. Graças às novas tecnologias, aos avanços científicos e à medicina moderna, é possível que o número de mortos fique bem abaixo do produzido pela gripe espanhola, não se podendo esperar o mesmo para a economia que, desde os primeiros dias já sofreu impacto nunca visto fora do tempo de guerra. Possivelmente, o golpe na economia deverá provocar alterações nos hábitos e costumes, nas relações sociais e nas questões de trabalho.

Quanto ao aspecto puramente humano, a pandemia está a levar as pessoas a uma introversão, a uma reflexão sobre os verdadeiros valores a nortear a dignidade humana, devendo isso, decididamente, mudar do TER para o SER o estado mental da humanidade. A solidariedade continuada passa, aos poucos, a ser inerente à condição humana e não mais eventual, de acordo com as circunstâncias. Só não vê quem não quer ver que a vida de toda a espécie, de toda a humanidade, depende da solidariedade, cobrando de cada indivíduo sua quota de sacrifício, para que sobreviva e faça sobreviver seu semelhante.

Destoa, nestes momentos de angústia coletiva, a discussão entre dois grupos, em torno da forma a se manter a população no que toca ao controle da pandemia. É consenso ou posição aceita pela maioria, que opiniões extremadas sobre qualquer assunto não são o melhor caminho para tomadas de decisão. Portanto, não é por meio do isolamento absoluto e paralisia total das atividades, como também não é por meio da liberação geral, que se chegará a um bom termo. Grupos de risco merecem o maior cuidado, para que não se contaminem e não propaguem o vírus, mas que não se descure da segurança daqueles aos quais cabe a responsabilidade pela manutenção das atividades essenciais. As atividades no campo, por exemplo, devem ser mantidas completamente a salvo da contaminação, pois desse setor depende a alimentação de todos, assim como todos dependem dos hospitais, serviços e profissionais da saúde, para que se ponham a salvo da pandemia.

A virtude está no meio e não nos extremos! Há que adotar o equilíbrio nas tomadas de decisão, para que maior não seja o perigo a ameaçar a população. Quem não é dos meios, diretamente envolvidos, no controle da doença e da segurança da população, que se abstenha de se imiscuir, explorar e distorcer fatos, palavras, com propósitos alheios ao problema maior. Questões político-partidárias são tudo o que a sociedade brasileira não quer discutir e, portanto, dispensa nestes momentos. Quem é de governar, que governe; quem é de trabalhar, que trabalhe, quem recebeu instrução para que se isole, que fique isolado, quem é de ficar calado, que assim se mantenha; quem é de comunicar, que comunique, porém o estritamente necessário. Que Deus nos guarde a todos!

Veja mais


Ponto de Vista do Batista
25 de mai de 2020
Estamos todos no mesmo barco XII...

Ponto de Vista do Batista
18 de mai de 2020
Estamos todos no mesmo barco XI...












ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
       

PARCEIROS