08 DE AGOSTO DE 2020

Estamos todos no mesmo barco VIII


Ponto de Vista do Batista
27 de abril de 2020


Por Nylton Gomes Batista

Para quem já foi para a retaguarda, não mais tem compromissos forçados fora de casa, não curte ociosidade nas ruas e ocupa seu tempo com trabalho, até que a quarentena não faz muita diferença, com exceção daqueles que, por conta dela, passa a ter, ao lado, familiares estressados pela mesma situação. Os da retaguarda formam o maior grupo de risco, mas sob o comportamento já descrito estão mais protegidos que todos os demais.

O velho, aposentado, em casa, pode e deve superar estes momentos, desde que consciente da situação e não influenciado por mal informados. Contudo, mesmo entre eles pode haver aquele que se rebela contra a imposição, reclamando o direito de ir-e-vir à hora e como bem entender. É como aquele que não gosta e não come jiló, mas faltando o legume no mercado, brada aos céus pela oferta do jiló! Coisas da natureza humana! Para os forçados a se afastar do trabalho e ficar em casa a coisa é diferente. Não é fácil para ninguém deixar de trabalhar, por circunstâncias adversas à sua vontade, ficar retido dentro de casa e, para completar o quadro negativo, ter o orçamento doméstico comprometido por redução da renda. É necessário muito equilíbrio psicológico, nesses momentos, para suportar razoavelmente a situação e não influenciar, negativamente, demais membros do grupo familiar. O mais recomendável é que a pessoa se mantenha ocupada, se não com afazeres domésticos, atividades físicas, que leia, escreva ou se ocupe com algo como resolução de palavras cruzadas. Em forma passiva, o melhor é ouvir boa música. O menos recomendável é ver televisão, especialmente o noticiário. Embora se sinta agredido no direito de se movimentar, quem fica em casa pode se considerar um privilegiado, em comparação com aquele que continua a sair para o trabalho e, em razão disso, está mais exposto ao perigo, no transporte coletivo e toda vez que, em razão do trabalho, tem mais proximidade com outras pessoas. A pessoa com a qual se mantém contato pode estar contaminada e nem saber, mas a transmissão da doença pode se fazer, naquele momento de proximidade sem os devidos cuidados, de ambas as partes, como o toque de mãos e o não uso de máscara, por exemplo.

Uns podem se contagiar e escapar da doença, mas a transmitem a outros, que a desenvolvem com muita facilidade. No topo da ocasião de contágio estão profissionais da saúde, dos quais a circunstância exige o máximo, em trabalho de risco e nem sempre estão protegidos na mesma proporção. Cabe a eles o maior sacrifício, em trabalho e em nível de risco para si e para suas famílias que, mesmo isoladas em casa, podem ser contaminadas por médicos(as), enfermeiros(as) e outros, ao retorno do trabalho para casa. Como forma de diminuir esses riscos, muitos se hospedam longe de seus domicílios, gerando dissociação física do grupo familiar e consequente angústia; mais sofrimento agregado!

Ainda longe de ser plenamente dominada, a pandemia ainda poderá causar muito sofrimento, além da saúde e das perdas em vidas, em decorrência da drástica redução nas atividades econômicas, imposta pelo necessário distanciamento social. Milhões de pessoas, em todo o mundo, se juntam à parcela anteriormente já desempregada; milhares de pequenas empresas se fecham; negócios se reduzem. Governos são forçados ao gasto de seus recursos para minimizar o impacto social, que implica na simples sustentação alimentar de grandes parcelas da população, desvinculadas da cadeia produtiva regular.

Configura-se, para depois da pandemia, um novo mundo, no qual pouco restará da economia anterior à mesma e, paralelamente, poderão ser resgatados antigos valores humanos, desaparecidos por força da pressa e do foco no TER.

Lamentável é que, no Brasil, enquanto a população sofre, de todas as formas, os efeitos do coronavirus, a política continua presa às antigas práticas dissociadas do coletivo nacional e voltadas à disputa partidária e interesses correlatos. Permita Deus que entre as transformações que o mundo aguarda para o pós-pandemia, ainda que mais à frente, esteja o banimento de todos os partidos políticos, permitindo assim a instauração da DEMOCRACIA ABERTA.

Veja mais


Ponto de Vista do Batista
04 de ago de 2020
Estamos todos no mesmo barco XXII...

Ponto de Vista do Batista
29 de jul de 2020
Estamos todos no mesmo barco XXI...












ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
       

PARCEIROS