18 DE JANEIRO DE 2019

Reflexões que o povo brasileiro deve fazer XXI


Ponto de Vista do Batista
01 de novembro de 2018


A esta altura da série de argumentos apresentados pró computação dos votos nulos e pró extinção dos partidos políticos, dando vez a uma democracia aberta, seria interessante que cada um refletisse sobre alguns pontos; mas, refletisse mesmo, deixando de lado, por alguns momentos, outras questões de menor importância. É preciso que o cidadão aprenda a pensar em relação às estruturas políticas em que está inserido, porque sua vida se desenvolve de acordo com o que se decide acima, na maioria das vezes, sem se levar em conta as condições gerais, como carências, capacidades, potencialidades e dificuldades da coletividade que deve acatar e cumprir.

É desejo de cada cidadão viver uma vida, na qual obstáculos possam ser superados por si próprio, na busca do melhor, para si e para os seus mais próximos, em consonância com os ideais coletivos de prosperidade que devem nortear a administração pública, da localidade, do município, do estado e do país. O imposto que ele paga deve retornar em forma de bons serviços, para que ele, dentro da coletividade, seja um bom cidadão, em todos os aspectos, capaz de evoluir e contribuir para que seu semelhante também o faça. Entretanto, politicamente, não é isso que acontece, porque a máquina pública está atrelada a interesses de grupos, a começar dos partidos políticos que, longe de representar a população, representam a si próprios e seus integrantes mais proeminentes. O cidadão, lembrando em primeiro lugar que do seu bolso sai o dinheiro para custear tudo o que aí está, deve considerar que cabeça não é para cultivar cabelo e criar piolho; cabeça é parar pensar e deve parar para pensar sobre essas questões, por alguns momentos, ao longo do dia.

Durante a recente campanha eleitoral, vínculos familiares se abalaram, amizades foram arranhadas ou se desfizeram, em nome de uma disputa da qual o povo acaba sendo vítima, depois de cada cidadão explorado psicologicamente, em seu íntimo, para que desse o voto a este ou àquele candidato. Torturado com mentiras maquiavélicas em torno de um e de outro candidato, o povo se dividiu como se entre Deus e o diabo, alternando-se as duas figuras antagônicas entre os dois candidatos, de acordo com a visão de cada um. Insanamente, pessoas agrediram-se, ofenderam-se pelo que se diz direito de escolher seus governantes; “direito” que, na verdade, é obrigação. Nessa coisa, tida e havida como democracia, o único direito que o cidadão tem é o de espernear... mais nada!

Antes de entrar em discussões estéreis e ofensivas, deixando de lado o diálogo maduro e saudável, melhor seria que cada qual pensasse em, por exemplo: o que é democracia? Repetindo o que se diz a teoria, “democracia é o regime político em que a soberania é exercida pelo povo”; ou, “é um regime político em que o poder pertence ao povo”. Na prática, ou na hora do “vamo vê”, a coisa é bem outra. Como e quando a soberania é exercida pelo povo, ou, o poder pertence ao povo?

Dirão os defensores do sistema que o povo está no poder por meio de seus representantes nos parlamentos (câmaras municipais, assembleias legislativas estaduais e Congresso Nacional); acreditarão os ingênuos, os simplórios, que aceitam todo o dito de cima para baixo; acreditarão os que não pensam e seguem a manada do “sim senhor”. A chamada representação popular é uma farsa, pois os parlamentares representam, tão somente, a vontade de seus respectivos partidos políticos. Logo, quem está no exercício da soberania e tem o poder são os partidos e seus “caciques”. Em seguida, conclui-se que o regime tido como democracia, não o é, porque o povo não participa do poder. Na verdade, é uma ditadura partidária com possibilidade de rodízio entre os partidos existentes. Além de toda enganação, o mais triste é ter toda a população envolvida numa briga, que leva ao nada ou a situações piores que as antecedentes; é ter a sociedade cada vez mais dividida, em razão da vontade de uns poucos que querem o poder.

A verdade nua e crua é que a verdadeira democracia ainda não é praticada! Assim como o verdadeiro comunismo nunca chegou a existir, apesar de todas mentiras disseminadas e de todo o sangue que seus defensores fizeram correr, também a verdadeira democracia ainda não existe, apesar de todos os discursos apelativos e emocionantes. Não existe nem nos Estados Unidos da América, a chamada maior democracia do mundo!  Não existe pelo unipartidarismo (partido único), onde prevalece a vontade de um único grupo e não existe pelo pluripartidarismo (vários partidos) onde ela é mascarada com possível rotatividade do poder entre os partidos, sem a participação do povo. A única participação do povo, no Brasil, está nas eleições, mediante o voto obrigatório!



Veja mais


Ponto de Vista do Batista
11 de jan de 2019
Obrigado pelos trinta anos de contato com você!...

Ponto de Vista do Batista
28 de dez de 2018
Reflexões que o povo brasileiro deve fazer XXIX (...













QUER FICAR POR DENTRO DAS NOVIDADES? CLIQUE E CADASTRE O SEU EMAIL, PROMETEMOS NÃO ENVIAR SPAM!
ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
   

PARCEIROS