18 DE MARÇO DE 2019

Reflexões que o povo brasileiro deve fazer XXII


Ponto de Vista do Batista
09 de novembro de 2018


Com base no conceito clássico de democracia, “regime político em que a soberania é exercida pelo povo”; ou, “regime político em que o poder pertence ao povo”, no qual ainda se inclui o direito à liberdade e direito de escolha, analisemos a situação política do cidadão brasileiro.

Aos dezoito anos, ele atinge a maioridade, assumindo obrigações perante o estado e a sociedade. Com relação à política, é-lhe imposta a obrigação de alistar-se como eleitor. Como se vê não é um direito, pois não pode se recusar ao alistamento, que o obriga a comparecer a todas eleições até completar setenta anos, quando então sessa a obrigatoriedade. Se não comparece à sessão eleitoral, é punido com multa, ridícula na verdade, mas que não deixa de ser punição por não ter comparecido para cumprir uma obrigação, que ainda teimam rotular como “direito”. Se não comparece e não justifica o não comparecimento, pagando a multa, pode sofrer outras sanções.

Diante da urna, ele tem privacidade e liberdade de escolha, mas os candidatos apresentados, são previamente escolhidos por terceiros, num processo completamente alheio à sua vontade. Em gozo de privacidade e de liberdade de escolha, o eleitor tem três opções: votar num dos candidatos, votar nulo, ou votar branco. Embora não o obrigue, concedendo-lhe privacidade e liberdade no momento de votar, o sistema induz o eleitor a escolher um dentre os candidatos, ainda que nenhum deles, segundo avaliação do eleitor, mereça o voto. O eleitor não tem participação na escolha prévia dos candidatos, razão pela qual pode acontecer de nenhum dos candidatos, satisfazer sua ideia de um bom candidato. Ele pode votar branco, mas o voto branco é voto de conformista, de eleitor que não se importa com o resultado da eleição. Para o eleitor conformista qualquer resultado está bom. A tecla do voto branco está ali, à disposição, mas se o eleitor tem consciência de sua responsabilidade, ele não a aciona.

O sistema quer que o eleitor vote em alguém, mas se ele não aceita nenhum dos candidatos, pode votar branco. O voto não serve a ninguém, mas o vencedor da eleição dele se apropria, pois o voto branco significa concordar com qualquer coisa, ainda que seja o pior. Por não concordar com qualquer coisa e não querer ficar em cima do muro, o eleitor descarta o voto branco e pensa em anular, mas contra isso vem uma vozinha, lá do seu íntimo, a dizer que cidadão democrata não anula voto, pois isso coisa de comunista; votar nulo é trabalhar contra o país; voto nulo é voto alienado, não é próprio de cidadão consciente. Por ter sido ali inoculada, pelo sistema, como um dogma perpetuado através de gerações, a ideia negativa do voto nulo chega a parecer-lhe fruto de sua própria avaliação. O sistema insiste em que ele deve votar em alguém, pelo menos, no menos ruim. Se nenhum dos candidatos tiver uma ficha boa, ainda assim ele tem de escolher e votar num; é o que determina o sistema. O eleitor se vê num dilema. Que fazer?

A título de ilustrar a situação em que fica o eleitor diante do que se lhe apresenta, suponha-se o seguinte: diante dele, o eleitor, estão três candidatos. O primeiro corresponde à figura do demônio; o segundo corresponde à figura do diabo; e o terceiro, à figura do satanás. Qual o menos ruim a receber o voto, de acordo com a orientação do sistema? Esta é a triste realidade!

O eleitor brasileiro está preso num labirinto, onde nada pode fazer e de onde não há como escapar! Se eleito um dos três hipotéticos candidatos que, depois de empossado, começa a fazer m... o eleitor é rotulado culpado, por não saber votar, ser analfabeto político e tororô e tororó. O pior de tudo é que, tão influenciado pela campanha mantida pelo sistema, o eleitor acaba por acreditar que a culpa é mesmo sua. Mas, como? Se não lhe é dada oportunidade de fazer melhor.... Fez o que lhe ordenaram fazer, ou seja, comeu do prato feito, que lhe apresentaram! O político eleito continua a fazer bobagens, no exercício do mandato, mas o eleitor nada pode fazer, senão aguardar providências dentro do sistema, cujo emaranhado de leis pode proteger o político corrupto.

Diante de toda essa situação, quando, onde e como o povo está a exercer o poder? Sem falar em outras mentiras e promessas vãs feitas por políticos, o povo é manipulado pelo forte esquema partidário de braços dados com interesses de grandes conglomerados econômicos. A democracia cantada em prosa e versos está apenas no papel!


Veja mais


Ponto de Vista do Batista
15 de mar de 2019
Ponto positivo para humanos!...

Ponto de Vista do Batista
01 de mar de 2019
A bestialidade política no topo...














QUER FICAR POR DENTRO DAS NOVIDADES? CLIQUE E CADASTRE O SEU EMAIL, PROMETEMOS NÃO ENVIAR SPAM!
ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
   

PARCEIROS