18 DE JANEIRO DE 2019

Obrigado pelos trinta anos de contato com você!


Ponto de Vista do Batista
11 de janeiro de 2019


Ano novo, sob governo novo, do qual se espera muito, embora amarrado a um sistema arcaico, caduco e corrupto (no pior sentido), que em nada facilita a marcha da carruagem nacional, aqui estamos nós, passageiros da mesma, a torcer para que a viagem prossiga com menos solavancos e derrapadas que quase a levam ao abismo. Bem, isso é pra não dizer que não falei de espinhos ou, como queira, um introito para assunto diferente e um tanto lisonjeiro para o titular desta coluna, que completa trinta anos neste janeiro! Se o fato não é comemorado em reunião de fatiota, regada a “champanhota”, como diria o guerreiro Noronha, pelo menos, que se o registre para a posteridade. É o que fazemos, então!

Numa manhã de domingo, agosto de 1988, quem saia da missa na igreja-matriz foi surpreendido, à porta, por um carrinho de supermercado empurrado pelo casal, Noronha e Paula Karacy. O carrinho não continha gêneros alimentícios, porém exemplares, os primeiros do O LIBERAL, no qual ninguém pôs muita fé no início. Sem alarde ou qualquer anúncio de sua chegada, O LIBERAL passou a ser presença, de quinze em quinze dias, diante dos olhos de leitores da Região dos Inconfidentes, integrada pelos municípios de Ouro Preto, Mariana e Itabirito. Em dezembro daquele mesmo ano, quando o jornal atingiu a oitava edição, o Noronha chegou-se a mim e fez o convite para que eu integrasse o pequeno grupo de colaboradores, que então se formava. Rapidamente, fiz uma avaliação mental. O jornal entra na nona edição; é o tempo de eu escrever nove ou dez artigos e ele encerrar as atividades. Assim raciocinei com base no tempo de sobrevivência de outros veículos de imprensa regional: de doze a vinte meses, no máximo. Cheguei a publicar em alguns deles, incluindo-se um da Prefeitura de Ouro Preto, que desapareceu de forma drástica e deselegante por força de picuinhas políticas. O município estava em transição de governo. A edição que traria matéria sobre o futuro prefeito e prognósticos de sua administração, atrasou-se na gráfica e só chegou depois de instalado o novo governo. O novo prefeito nem deixou que se desamarrasse o pacote. Mandou incinerar tudo do jeito que chegou; coisas da politiquinha ouro-pretana e politicalha tupiniquim! Registre-se ainda que o novo prefeito havia sido eleito com apoio do seu antecessor.

Em janeiro de 1989, surgiu então, sob a minha responsabilidade, a nova coluna, intitulada OPINIÃO. No início, a vontade do Noronha era que a coluna fosse constituída de pequenos tópicos, a exemplo de outras seções do jornal, mas isso não me animava; preferia escrever em bloco único. Empaquei na minha posição, enquanto o Noronha, de vez em quando, me cutucava sobre a questão, até que um dia ele mesmo se convenceu de que o texto único era melhor. Valeu a minha teimosia! Se tivesse concordado com a sua ideia, talvez não mais estivesse na lista dos colaboradores do O LIBERAL. Não estou afeito à escrita em conta-gotas!

Àquela época, escrever era um sacrifício para quem não se ajeitava na produção de textos, diretamente, na máquina de escrever. Eu fazia os rascunhos manuscritos e só depois os datilografava. Havia que evitar erros, para não encher de remendos ou ter que tudo refazer. Não havia outro jeito, sem esquecer que havia a cópia carbono destinada ao arquivo pessoal. Algum tempo mais tarde, o computador pessoal veio resgatar os profissionais da escrita de muito sofrimento e chatices. A redação funcionava num quarto da casa do Noronha, onde eu comparecia para entrega dos originais e troca de ideias com o editor sobre assuntos diversos, enquanto o pau quebrava à nossa volta. Explica-se: o Paulo Felipe, hoje à frente do jornal juntamente com a mãe, era um pirralho, de cinco anos, no comando do fuzuê e da depredação doméstica, em parceria com a Labybe e a Sylvana (esta nem falava direito), suas irmãs mais novas. Paralelamente, a Paula fazia uma ginástica entre a administração doméstica, seu emprego na escola e o trabalho no jornal iniciante.

Quando adquiri meu próprio computador, dez anos mais tarde, o jornal já tinha instalações comerciais, e eu também a convite do Noronha estava integrado à equipe de redação. Noronha e eu tínhamos discussões homéricas, em torno de muitos assuntos, a ponto de eu, certa vez, no dia seguinte, levar a carteira de trabalho, para a devida baixa, pois estava certo que seria despedido, mas isso não aconteceu. Entretanto, quanto aos textos produzidos para a coluna, ele nunca interferiu, nunca fez crítica negativa, dando-me sempre completa liberdade para escrever. Registre-se que, num dos textos, ele foi alvo de minhas críticas veladas, mas fez comentário apenas depois da publicação, demonstrando ter entendido e aceitado o recado. Estou feliz por ter chegado aos trinta anos de publicação. Agradeço a Deus pela inspiração e aos leitores, pela honra que me concedem da leitura.



Veja mais


Ponto de Vista do Batista
28 de dez de 2018
Reflexões que o povo brasileiro deve fazer XXIX (...

Ponto de Vista do Batista
21 de dez de 2018
Reflexões que o povo brasileiro deve fazer XXVIII...













QUER FICAR POR DENTRO DAS NOVIDADES? CLIQUE E CADASTRE O SEU EMAIL, PROMETEMOS NÃO ENVIAR SPAM!
ITABIRITO
OURO PRETO
MARIANA
BRASIL
MUNDO
ARTIGOS
GALERIA
EDIÇÕES
SOBRE NÓS

 CONTATO
   

PARCEIROS